Contatos de Quarto Grau.

O presente caso fala do filme Contatos de Quarto Grau”? (título em português)Essa produção de Holywood apresenta em seu roteiro supostas evidências de abduções e até mesmo revelações religiosas, como uma voz que afirmava ser DEUS no fim do filme. A polêmica gerada existem em função de o produtor da referida obra alega ter baseado em fatos reais a construção da trama.
“Contatos de Quarto Grau” The Fourth Kind,título original em inglês 2009 é um thriller de suspense que ocorre no povoado de Nome (O nome do lugar é nome) no Alaska, onde vem ocorrendo desde a década 60 o desaparecimento de um número desproporcional de pessoas.
Dirigido por Olatunde Osunsanmi, diz-se baseado em fatos. Supõe-se que desde a década de 1960 ocorreu uma série de desaparecimentos e mortes misteriosas.
Nesta região, a psicóloga Dra. Abigail Tyler começa a filmar suas sessões de hipnoterapia clínica com pacientes traumatizados e, sem saber, descobre algumas das evidências mais inquietantes de abduções alienígenas que já foram documentadas.
Usando imagens de arquivo nunca antes vistas, integradas ao filme, “Contatos de Quarto Grau” expõe as terríveis revelações de múltiplas testemunhas. Todos os pacientes relatam ter sido visitados por figuras extraterrestre e compartilham detalhes inquietantemente idênticos.
Mesmo os ufólogos mais ativos desconhecem o caso , o que é estranho.
Qual seriam os fatos realmente reais nesse caso ? Quem é a doutora Abigail Tyler ? Existe o Alaska Psychiatry Journal(onde, a doutora publicou suas conclusões)? São verdadeiros os vídeos das sessões de hipnose ?
Primeiramente em 2005 o FBI enviou uma equipe de detetives da homicídios para investigar essa série de desaparecimentos e mortes sem solução em Nome no Alaska. A maioria das vítimas eram campesinos indígenas. Entre os anos 1960 e 2004, mais de 20 pessoas morreram ou despareceram misteriosamente. Originalmente pensou-se que os desaparecimentos estavam vinculados a um assassino em série. O FBI concluiu “estudo de caso” não há citação nem fontes. É como se um estudante de primeiro ano de psicologia houvesse escrito o artigo de investigação, não um “estudo de caso” redigido por doutores. Todavia o pior é o artigo dos “doutores” Burden e Tyler.
Fazendo uma busca no Whois do endereço URL, o mesmo está registrado por outra companhia diferente, talvéz para preservar a identidade dos responsáveis. Esse site não existia até 13 de agosto de 2009. Isso caracteriza um possível caso de marketing viral do filme. O site já se encontra fora do ar, poucos meses depois.
Tudo isto nos leva a crer de que os websites que mencionam a doutora Tyler são um estratagema de marketing viral, como a promoção para o filme 2012 e o Institute for Human Continuity.
Buscando no diretório do Estado, as organizações psiquiátricas, as universidades que proporcionam licenças, de nenhum deles consta a doutora ou sua prática. Na web há uma falta geral de informação pessoal de Abigail.
Outro problema são as cenas de Nome que aparecem nos clipes reais. A cidade que no filme não é Nome, Alaska. Nome está em Sonda, não encravada em um vale de montanha. O diretor da Câmara de Comércio de Nome, Mitch Erickson, que viu trechos do filme. Essa Nome fictícia é um lindo lugar, disse. Gostaria que tivéssemos essas árvores Câmara Oficial de Comércio refuta a informação e publicação do estúdio de filmagem.
Com relação as imagens de arquivo. Toda menção a eles está em sites não muito confiáveis que não têm informação de contato, criados coincidindo com o lançamento do filme.
Finalmente, o próprio site do filme contem vários links, mas nenhum deles relacionado às supostas abduções de Nome. Há um blog em particular que descreve toda a atividade ufológica no Alaska. Para Nome só há 8 casos que vão de janeiro de 1908 a setembro de 1967. Nenhum deles é de abdução e não há nada nos anos 2000.
Após o lançamento do filme, em novembro de 2009, jornais do Alaska também protestaram porque o marketing do filme chegou ao ponto de não apenas inventar periódicos fictícios como o Alaska Psychiatry Journal, como criar artigos falsos para publicações reais como o Daily News-Miner que o negou veementemente.
Conclui-se as afirmações do filme não coincidem com a realidade dos relatórios e aspectos do local. Apenas se tratava de marketing viral para o lançamento do filme.
Colclusão : Possível mentira, carece de investigação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *