Loto Fácil Exert Profissional

AS MÚSICAS QUE FIZ PRA NOZES

Faroeste Cabloco.

Entendendo a música:

Faroeste Caboclo foi uma canção escrita por Renato Russo em 1979, segundo ele mesmo, e lançada no albúm Que Pais é Este, do grupo de Brasília, Legião Urbana, no ano de 1987. Essa canção esteve nas principais paradaa de sucesso do Brasil e é um dos maiores sucessos de Legião Urbana. Alias o terceiro albúm da banda, reunia músicas antigas, escritas a partir de 1978, da chamada "fase do trovador solitário de Renato Russo

Por motivos de censura a letra da música teve de ser editada para se adaptar aos padrões do departamento de censura federal, que muitos hoje afirmam não ter existido. .

No ano de 2013 a música voltou a ficar em evidência com a produção de uma versão cinematográfica da história, o longa metragem Faroeste Caboclo, dirigido por René Sampaio e com roteiro de Victor Atherino.

A letra da canção conta a história de João de Santo Cristo, um jovem baiano que se muda para Brasília, vira traficante, vai preso, apaixona-se por Maria Lúcia e acaba assassinado por Jeremias, um traficante rival.

A história é tão comovente e cativante que faz o ouvinte ficar os 9 minutos e 3 segundos da música prestando atençãoo a cada detalhe.

Como o título indica, a canção faz uma referência direta aos filmes de faroeste, onde os cowboys matam e morrem em duelos pela sua honra. O protagonista, contudo, faz parte da realidade brasileira.

É identificado como “caboclo”, ou seja, um homem do sertão e também alguém gerado através da miscigenação racial. Essas informações assumem bastante relevância, já que João sofre discriminação por esses fatores.

A grande controvérsia desta música é que pessoas afirmam tratar-se de uma história real que Renato Russo havia lido em um noticiário local de Brasília, mais segundo o próprio autor, trata-se de uma obra de ficção, totalmente baseado em fatos fictícios, sendo que em entrevista concedida ao cantor e compositor Leoni, Renato Russo revela que escreveu a música em duas tardes e que o roteiro foi improvisado, escrevendo-se os versos seguintes tomando em consideração as rimas a serem feitas com os versos anteriores.

O próprio compositor, porém, entende que o enredo possui falhas, como não explicar o fato de João aceitar ir no lugar do boiadeiro para Brasília ou porque a Maria Lùcia se casou com Jeremias.

Tambêm, em outra entrevista, disse que a música é completamente fictícia, e explica seu enredo:

“ Veja, um motorista de táxi me disse que era a história do irmão dele. Tem outros que dizem que eu conheci um certo marginal e fiz a música. E não é. A música é completamente fictícia. E é engraçado, porque o João de Santo Cristo é um garoto de classe média e as pessoas, parecem, não percebem isso. Ele era filho de fazendeiro e o pai dele foi assassinado. Ele vai para o reformatório porque não tem ninguém para tomar conta dele. Mataram praticamente toda a sua família e, por isso, ele é revoltado."

Em outra versão não oficial, Flávio Lemos , baixista da banda Capital Inicial e ex-colega de banda de Renato Russo no Aborto Elétrico, em entrevista concedida em 2004, diz que a música se refere a uma situação acontecida entre ele e Russo:

Estava no Rio de Janeiro, na Ilha do Governador, na casa da tia do Renato. Ele gostava de uma prima dele, a Mariana, e eu sabia, mas não rolava nada entre os dois. Fomos viajar para Búzios , a turma toda, menos o Renato. E eu fiquei com a prima dele, transei com ela. Foi a minha primeira vez, eu era virgem. A menina voltou antes pra casa e contou a história pra todo mundo. Quando eu voltei pra Ilha ele já sabia, e considerou aquilo uma traição. Cheguei de madrugada, tinha viajado a noite toda, e ele me acordou bem cedinho, eu estava morrendo de sono.

Renato tinha passado a noite inteira escrevendo a música. Ele me disse que eu era o Jeremias, o maconheiro, o sem vergonha. E ele era o Santo Cristo - olha o nome que ele deu a si mesmo! E a prima era a Maria Lúcia. Renato criou um épico com essa história. A gente continuou amigo depois. Pode aparecer alguém que conteste, mas é a mais pura verdade.

Parece que essa versão de Flávio Lemos, se trata mais de uma brincadeira.

Na letra da música é possível ver a influência que a televisão exercia sobre as pessoas nos anos 70 e 80, onde o protagosnista da história quer deixar o seu mundo no interior para ver as coisas que assistia na televisão.

Outra curiosidade sobre a música é que segundo o jornalista e historiador Marceloc Fróes, no manuscrito original com a letra de "Faroeste Caboclo" havia uma anotação de Renato dizendo que imaginava a música como um baião cantado por Luiz Gonzaga

Veja a versão ao vivo da música:

Veja um clipe com cenas do filme:

E não podia faltar a versão MEME:



Copyright © 2018-2019 @ Heitich Media Digital