Loto Fácil Exert Profissional

AS MÚSICAS QUE FIZ PRA NOZES

AS BATALHAS DE ANITA GARIBALDI.

RESUMO Visa o presente esclarecer qual foi a verdadeira participação de Anita Garibaldi nas guerras em que se fez presente, acompanhando seu marido Giusepe, sendo elas a guerra dos farrapos e a luta pela unificação da Itália. Foi realmente Anita combatente heroica como retratam as pinturas e textos exaltados, ou uma coadjuvante que acompanhou o marido, por medo de ser abandonada pelo mesmo.

Palavras-chave : Anita Garibaldi, Guerra dos Farrapos, Batalhas.

1. O MITO DA GUERREIRA LAGUNENSE. Existem muitas formas de participação em um conflito, não necessariamente envolvendo o confronte bélico. No caso das mulheres que acompanhavam as tropas, servindo de apoio, como prover munição e cuidar dos feridos, como relata a própria Anita em uma de suas cartas. “Era de costume que as mulheres acompanhassem as tropas quando as mesmas fizessem longos movimentos, deslocando-se definitivamente. Em sua retaguarda, elas os acompanhavam. Muitas faziam os trabalhos de condutoras das carretas que transportavam as provisões e as tralhas dos soldados. Outras por suas habilidades no manejo de rebanho, vinham conduzindo os animais que davam sustentação alimentar às tropas.” (Garibaldi, 63) Mais parece que no caso do casal Garibaldi, esse papel de concubina se estendeu além de mera ajudante das tropas. 

2. AS BATALHAS EM ORDEM CRONOLÓGICA Podemos dividir a curta vida de Anita em dois períodos, a guerra dos farrapos e as guerras de unificação da Itália, sendo que no período em que passou no Uruguai, não há registro de confrontos, embora Garibaldi tenha sido contratado para desempenhar o papel de oficial da marinha uruguaia, em guerra com a Argentina. Segue uma breve cronologia dos eventos em que participou Anita ou que estava presente. 20/10/1839, expedição a Cananéia. 04/11/1839, batalha naval de Imbituba. 15/11/1839, batalha naval de Laguna. 13/12/1839, passo de Santa Vitória 12/01/1840, combate de Curitibanos, no passo de  Marombas. 28/09/1840, São Luiz de Mostardas, fuga pela picada do Rio das Antas. 23/03/1854, combate de Santo Antônio, no Uruguai. 31/07/1849, dissolução da legião romana e perseguição pelos austríacos. Colocado os fatos e ordem vamos aos relatos individuais dos mesmos.

2.1.  A Excursão de Corso Até Cananéia (Batalha de Imbituba), 20 de outubro de 1839. Em 20 de outubro de 1839, Anita embarca no Seival e segue Garibaldi numa expedição de corso até a ilha de Cananéia, em busca de mantimentos para a população civil de laguna. Durante o trajeto foram perseguidos pelo navio imperial regeneração, há relatos de troca de tiros entre as duas embarcações e Anita "está no convés, de arma em punho, a também responder com tiros à reação dos barcos ". (Zumblick,50) Em 3 de novembro de 1840 a expedição é atacada por navios imperiais brasileiros. Dizem os relatos que Anita combateu ao lado dos marinheiros. "é atingida, de raspão por um balaço que a derruba " Esse é o relato em que a participação de Anita é mais exaltada, em parte por sua negativa de permanecer no porão do navio e por encorajar os marinheiros amedrontados também o fazerem.  Existe mais de uma referencia que a mesma tenha manuseado armas de fogo no referido combate e até tenha sido atingida por um tiro de raspão.

2. 2. Batalha Naval de Laguna, 15 de novembro de 1839. Em 15 de novembro de 1839, ocorre a batalha naval de Laguna, contra as tropas comandadas por Frederico Mariath, com 16 navios imperiais, adentram a barra da laguna, nesse momento Anita no comando do navio Rio Pardo, "substituindo Giuseppe, dispara o primeiro tiro" (ZUMBLICK, 50) Durante o confronto é dada a ela outra missão, diferente de lutar, Anita usa um escaler a remo, para levar munição as tropas farroupilhas. Fazendo a travessia do canal várias vezes, " efetua doze viagens dos navios para o lado sul da barra. " (ZUMBLICK, 50). Não existe referencia da participação  como soldado nessa batalha.  Mais acredita-se que antes do conflito ela montava guarda em um dos navios da frota farroupilha. Sua participação se deu em termos de apoio logístico.

2. 3. Batalha de Santa Vitória em Lages. A batalha de Santa Vitória ocorreu quando as tropas farroupilhas subiam a serra catarinense em direção a Lages. Houve um confronto com tropas brasileiras no dia 14 de dezembro de 1840. “Anita foi uma espectadora desse encontro” (MARKUN,164), Garibaldi relatando o encontro das tropas farroupilhas com as tropas imperiais comandas pelo coronel Acunha. Uma das raras vitórias dos farrapos, onde não encontramos relatos de participação bélica de Anita, apenas como expectadora.

2. 4. Combate no Passo de Marombas, em Curitibanos. O combate de Forquilhinhas se deu à meia noite do dia 12 de janeiro de 1840, próximo ao rio Marombas, onde os farrapos são derrotados.  Nas memórias de Giusepe não há referencia a Anita ter participado desse combate. Acredita-se que ela fazia o transporte de munições entre a retaguarda e as posições avançadas, quando foi cercada por um batalhão inimigo. (MARKUN, 169) Nesse combate Anita foi feita prisioneira por Melo Albuquerque. Anita consegue permissão de Melo Albuquerque para procurar o cadáver do amante morto, conseguindo enganar os soldados imperiais, rouba um cavalo e foge grávida do seu primeiro filho Menotti, atravessando o rio Canoas, região onde foi fundada a cidade de Anitápolis.  Nesse confronto a participação de Anita também foi  no âmbito de apoio logístico as tropas.

2. 5. 26 de setembro de 1840, ataque supressa de Pedro de Abreu na Lagoa dos Patos. Na data de 16 de setembro de 1840, Anita dá a luz ao seu primeiro filho, na fazenda dos Costas, na localidade de São Luiz de Mostardas. Em 24 de setembro de 1840, Pedro Abreu ataca de supressa as tropas revolucionárias em Camaquã, no rancho dos Costas, durante a ausência de Garibaldi.”  Informado de que Anita tinha dado luz a uma criança, e de que Garibaldi havia-se ausentado do local, onde comandava uma pequena horda de marinheiros, valeu-se Moringue da situação de ausência do líder. Navegando de Rio Grande pela Lagoa.” (Garibaldi) Nesse ataque o General Pedro Abreu, destrói o regimento de lanceiros negro do General Máximo e depois se dirige a fazenda dos Costa, com a intenção de capturar Anita, e com isso chantagear Garibaldi. Graças a resistência de alguns republicanos que ali estavam, Anita consegue fugir, vestindo uma camisola com o filho Menotti, montando em pelo um cavalo. Nesse confronto, Anita foge. Claro que deve-se levar em conta a situação supressa e a condição da própria de estar desarmada e com um filho recém nascido.

12.6.  Batalha de Gianícolo, 1849, retirada de Roma, contra os Austríacos. Na colina de Gianícolo for travada uma batalha contra os franceses, onde a resistência de Garibaldi proclamou a república romana. Onde Giusepe marchou com mil soldados na data de 20 de junho de 1849. Há relator que Anitta esteve presenta nesse episódio, com trajes masculinos e cabelo cortado (ZUMBLICK,88). A legião romana é desfeita devido a forte oposição das forças francesas. Fugindo de Roma sitiada pelos franceses, as tropas republicanas de Garibaldi entram em confronto com o exército austríaco. Embora estando com o marido e com trajes militares, não há relato da participação bélica nesses confrontos. Mais o agravante de a mesma estar enferma e causando problemas para as tropas republicanas, atrasando sua fuga.

3. Considerações Finais Por incrível que pareça a participação efetiva de Ana Maria nas guerras em esteve presente como combatente se deu apenas na batalha naval de Imbituba. Segundo os relatos a maior parte do confrontos Anita atua como apoio e suporte das tropas, na retaguarda das batalhas, levando munição e mantimentos para os soldados. Atividade essa também importante, que pode ser decisiva  em um conflito, tanto é que Anita foi capturada quando exercia essa atividade, pois é estratégia de todo comandante cortar as linhas de fornecimento do inimigo. Nos restantes dos relatos Anita atuou como mera expectadora, acompanhando seu companheiro, fato esse que não diminui sua coragem.  O certo é que Anita nunca se intimidou perante o perigo, dando mais de uma vez prova de sua coragem, indo muito além do papel de uma mulher em sua época.

REFERÊNCIAS  

Garibaldi, Anita Garibaldi, A Mulher do General, São Paulo: Martins Fontes, 1989.

Cadorin, Adílcio., Anita Garibaldi, A Guerreira das Repúblicas, 1 Edição, Florianópolis:1999.

Markun, Paulo., Anita Garibaldi, Uma Heroína Brasileira – 3. Edição, São Paulo: Editora SENAC 1999,

Zumblick, Walter, 1908 - Aninha do Bentão. Ed. da UDESC,. Florianópolis:1999.

Valente, Valentim. Anita Garibaldi Heroína por Amor, 1949

Ouça ou compre boas músicas nos serviçso de abaixo:

Ouça boas músicas na Amazon Compre boas músicas na Apple Music OUça boas músicas no Deezer Ouça boas músicas no Google Play ImmubOuça músicas alternativas no Palco MP3 Ouça artístas alternativos no SounCloud Ouça Boas Músicas no Spotfy Ouça Rádios no Tunein Ouça Tudo no Youtube


Copyright © 2018-2019 @ Heitich Media Digital